Conectando Cérebros

Por que o termo DPAC foi substituído por TPAC

May 21, 2020 2:39:25 PM / by Ingrid Gielow & Diana Faria

 

DPAC X TPAC

O fonoaudiólogo é o profissional responsável pelo tratamento das alterações do processamento auditivo central.  Ao procurar a literatura sobre o tema, é comum encontrarmos nomenclaturas distintas para falar das mesmas dificuldades, como Distúrbio do Processamento Auditivo Central (DPAC) ou  Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC). 

Mas qual é o termo correto: DPAC ou TPAC?

Em 2016, durante o 31o EIA (Encontro Internacional de Audiologia), profissionais reunidos no Fórum definiram por maioria que o termo correto a ser utilizado é Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC), a fim de acompanhar as descrições das alterações fonoaudiológicas que constam no CID (Código Internacional de Doenças).

Os fóruns realizados durante o EIA têm por objetivo reunir profissionais da área para promover momentos de discussão e reflexão de temas específicos, com embasamento científico, que subsidiam recomendações e ações futuras que serão referendadas e apoiadas pela Academia Brasileira de Audiologia.  Assim, desde 2016, o termo DPAC deixou de ser utilizado para dar lugar ao termo TPAC, de modo que todos os profissionais devem usar a mesma terminologia. 

Fora do Brasil, em 2005, um relatório produzido pela American Speech-Language-Hearing Association  ASHA já recomendava o uso do termo TPAC para definir a dificuldade de processamento da informação auditiva no sistema nervoso auditivo central, caracterizada por baixo desempenho em uma ou mais habilidades auditivas: localização e localização sonora, discriminação auditiva, reconhecimento do padrão auditivo, aspectos temporais da audição (integração, discriminação, ordenação temporal), performance auditiva com sinais competitivos e performance auditiva com sinais acústicos degradados.

Por que é importante utilizar a terminologia correta?

Todos os anos, são produzidas diversas pesquisas científicas na área da Fonoaudiologia para promover o desenvolvimento científico sobre os distúrbios da comunicação humana. Quanto mais emprega-se a mesma terminologia, mais reconhecida será a atuação do fonoaudiólogo na perspectiva  da comunidade científica.

O que muda na minha prática diária?

Não é necessário realizar grandes alterações no dia a dia de sua prática clínica, basta utilizar o termo Transtorno do Processamento Auditivo Central (TPAC) nas produções de relatórios de avaliação, encaminhamentos, nas trocas de informações com outros profissionais da área da saúde e durante as orientações a pacientes e familiares.

Quais os benefícios de se usar o termo TPAC?

Quanto mais disseminamos a terminologia correta, melhor será o entendimento geral dos profissionais da Fonoaudiologia, de outras áreas da saúde e do público geral sobre as alterações no processamento auditivo central.  Além disso, a busca por informações  nas bases de pesquisa científica e na internet será mais direcionada e nos ajudará a difundir a importância do processamento auditivo central e do diagnóstico precoce para um tratamento adequado e de qualidade.  

Vamos divulgar essa informação? A Fonoaudiologia  e o seu paciente só têm a ganhar!

Tags: Processamento Auditivo Central

Gostou deste conteúdo? Inscreva-se para receber mais

Posts recentes